Tempo de leitura: 05 Minutos

Além dos prejuízos humanos causados por Acidentes De Trabalho registrados nas estatísticas, pouco são comentados os custos destes acidentes.

 

Segundo a OIT (Organização Internacional do Trabalho), morrem no mundo 2 milhões de pessoas vítimas de acidentes ou doenças relacionadas ao trabalho.

 

No Brasil os acidentes custam uma média de 65 bilhões por ano, variando entre custos de tratamentos e indenizações por óbito.

 

Os trabalhadores que sofrem acidentes não fatais, desenvolvem danos que não são quantificados. Vejamos exemplos:

 

- sofrimento tanto físico quanto mental;

- dependência de terceiros;

- diminuição do poder aquisitivo;

- desamparo à família;

- preconceito;

- desemprego;

- depressão e traumas.

 

Existem também os danos que geram custos para o empregador, empregado e sistema de saúde como:

 

- despesas hospitalares e cirúrgicas

- remédios;

- próteses;

- assistência médica;

- fisioterapia;

- assistência psicológica; 

- condições especiais de locomoção.

 

O custo de um acidente é a soma do custo direto e indireto. O custo direto é o segurado pela Previdência Social, e o indireto é aquele que não há qualquer disposição que obrigue seu custeio.

 

Os custos indiretos são os que mais impactam a empresa, e a média é que a cada 1 real gasto pela previdência. 4 reais são gastos pelo particular.

 

A prevenção de acidentes é sempre a melhor solução, afinal esta é a única garantia de redução de custos "invisíveis" que diluem a rentabilidade. Investir em Segurança do Trabalho é sempre sua melhor opção.